"O melhor da gastronomia embalado para viagem."

... Cozinhar é também fazer poesia. É abrir ouvidos, olhos, boca e nariz para perceber o que faz sentido entre temperos e medidas. É entrar neste estado de coisas latentes e cavar o silêncio....
Juliana Venturelli

terça-feira, 18 de dezembro de 2012

Processamento da mussarela

Criação de búfalo para a produção e mussarela

Reportagem sobre a criação de búfalo aponta as vantagens do búfalo sobre o gado:




Queijo Gruyière

O Gruyère é um queijo duro suíço, originário da cidade de Gruyères e produzido nos cantões de Fribourg, Vaud, Neuchâtel, Jura e Berne.
Uma das caracteristicas do queijo gruyère é a de possuir buracos embora estes sejam menores e em menor quantidade do que no queijo Emmenthal. O Gruyère é copiado por todo o mundo e por vezes é comercializado sob a forma de pasta fundida (esta sem os caracteristicos buracos). O sabor do Gruière é mais forte do que o Emmenthal e sua textura mais cremosa. É utilizado somente leite de vaca no seu preparo, ao qual se adiciona um pouco de açúcar. A casca natural é dura, seca e de cor castanho-ferrugem mais escura que a do Emmenthal. A textura do queijo é ligeiramente granulosa, densa e compacta mas flexível. À degustação o Gruyère apresenta um sabor frutado num primeiro momento, para depois surgir um ligeiro sabor a nozes.



Fonte: Youtube: Mundo S.A


O mineiro e o queijo - Trailer do filme

Estamos esperando ansiosamente para assitir ao filme "O mineiro e o queijo".
Por enquanto temos que nos contetar com o trailer.
Muito interessante..

Demonstração do processo e defumação usando defumador industrial

Esta receita vinculada pela TV lash também pode ser feita no defumador caseiro.



Linguiça tradicional de Morteau - Globo Rural

Documentário sobre a linguiça de Morteau, que acompanha a produção e a defumação tradicional do embutido característico das montanhas da Franca.
Fantástico!!!





Fonte: Youtube - Globo Rural

Defumação - Como transformar a sua churrasqueira em um defumador

Coletânea de filmes muito bons sobre o processo de defumação feito na churrasqueira...
O profeseor Renato Ferraris ensina passo a passo como defumar um pernil em casa.
Vale à pena conferir. Para iniciar o processo de defumação em casa é necessário assitir todos os vídeos.







O tempero que feito pelo Renatão é o tradicional Alho, cebola, cheiro verde, sal de cura, vinagre e vinho.Usar 2 cabeças de alho, 1 cebola grande, cheiro verde a gosto, vinagre e meio copo de vinho branco seco. Bater  no liquidificador.(Reserve uma das cabeças de alho). Fazer furos na Paleta com uma faca de ponta boa e introduzir dentes de alho na carne. Reservar um saco plástico , coloar a Paleta dentro e despejar o tempero. Fechar bem o saco plástico e reservar na geladeira por 48 horas antes de fazer o processo de defumação. 




Como usar a sua churrasqueira de tijolinhos e fazer um defumador extremamente eficaz e continuar tendo a churrasqueira sem alterações. Assista também o vídeo DEFUMADOR e veja as alterações e evolução. Super simples e prático:



Fonte: Youtube - Professor Renato Ferraris



Como produzir presunto defumado

Segue uma reportagem muito interessante sobre o processamento de presunto defumado:




Fonte: Globo rural

quarta-feira, 5 de dezembro de 2012

Licor de tangerina - Tipo Mandarineto


Este licor é laranja e translúcido. Tem gosto do famoso Mandarineto.
O sabor vai depender muito da cachaça que você escolher como base.
Gosto das cachaças brancas de sabor suave. Não é recomendado usar o álcool de cereais..
É uma ótima receita para o aproveitamento das cascas da tangerina. A tangerina de casca fina ou mexerica é a melhor para fazer o licor, embora a mucote também sirva.

Ingredientes:
1 litro de cachaça branca
1 litro de água
1 kg de açúcar
Cascas de 8 tangerinas
8 gotas de essência de baunilha

Modo de fazer:
Colocar as cascas na cachaça por 1 mes em um garrafão tampado, em local escuro.
Agitar o garrafão 1 vez por semana.
Coar em um pano fino sem expremer.
Fazer uma calda de açúcar fina, cor de caramelo clarinha, acrescentar a água e ferver. Deixar esfriar.
Juntar a cachaça aromatizada com a calda de açucar fria.
Acrescenta 4 gotas de baunilha
Colocar novamente no garrafão.
Agitar o garrafão por um semana (todos os dias).
Deixar repousar por no mínimo 2 meses para apurar o sabor antes de servir.

Bom para ser apreciado no final das refeições


Geléia de jabuticaba translúcida


Esta geléia é linda e deliciosa.
Fica com um ponto maravilhoso, parecido com o da Geléia de Mocotó Embasa. he,he,he.
Além de tudo ela e cor de uva, translúcida, deixando passar a luz...
Muito legal e prática, porém delicada.

Ingredientes:
1,5 kg de jabuticaba
1050 kg de acucar cristal Gotas de limão

Modo de fazer:

Cozinhar a jabuticaba com água o suficiente para cobri-la durante 40 minutos (atenção, irá subir bastante).
Estoura-las.
Coar em um pano fino, sem espremer para mante-la transparente.
Juntar o suco e o açúcar. Mexer bem para dissolver o açúcar. Levar ao fogo baixo por 30 ou 40 minutos. Só volte a mexer quando a geléia estiver ficando com uma consistência firme, com as bolhas estourando (para que não grude no fundo da panela).
Quando estiver dando o ponto, ou seja começar a cair uns pingos grossos da colher, adicionar algumas gotinhas de limão.
Retirar a espuma que sobe.
Colocar nos vidros ainda quente e retirar a espuma restante.

Cor: Roxa avermelhada (cor de vinho) e translúcida
Ponto: fio fino
Consistência: depois que esfria fica como uma gelatina, porem mais macia ao corte.
Rendimento: 4 e ½ potes de 240 ml ou 1397g por receita

Doce de banana cristalizada - Bananada


Costumava fazer este doce para vender. Não era lucrativo pois bananada é um doce muito barato, feito nas fábricas em panelas gigantes que mexem sozinhas.
De qualquer forma esta bananada tem um sabor todo especial. É macia e com gosto bem caracteristico artesanal.

 
Ingredientes:

2.200 Kg de banana d`água (aprox. 2 dúzias)
1 kg de açúcar cristal
1 pacote de gelatina incolor hidratada no suco de limão
125 ml de suco de limão (aprox. 6 limões pequenos)
1 colher de (sopa) de margarina
1 pitada de sal (para 6 receitas 1 colher de sopa de sal)
1.800 kg de açúcar para cristalizar (opcional)

 
Modo de Fazer:

Lave e descasque as bananas. Triture no liquidificador. Coloque em na panela, primeiro a banana, depois a gelatina hidratada no suco do limão e o açúcar. Misture bem e acrescente a margarina.
Leve ao fogo baixo, mexendo sempre, durante 1 hora e meia. Tem que ter braço...
Deixar o doce esfriando de um dia para o outro no tabuleiro (24h), depois é só cortar em cubos e passar no açúcar cristal. Para fazer as barras de doce de corte, forrar pequenas formas com papel celofane. Esperar 24h e fechar.

Rendimento: Aproximadamente 1 kg
Consistência: Massa consistente, não gruda na lamina da faca molhada. Depois deste estagio manter no fogo por mais algum tempo. O doce solta bastante do fundo da panela, tornando-se uma massa única.
Coloração: Escura
Sabor: Característico de bananada

Trufas de chocolate e café da minha tia


Minha tia é uma negação na cozinha. Só come congelados para não ter que cozinhar.
Surprendentemente a trufa de chocolate com café que ela faz é a melhor que eu já comi..
É bem fácil de fazer e o resultado, um escândalo...
Ela nos agracia com esta delícia no natal...

Ingredientes:
3 colheres de sopa de café solúvel
350 g de chocolate ao leite 
¾ ou 180 ml de leite condensado
¼ de xícara ou 120g de cacau em pó
Modo de fazer:

Dissolver o café solúvel em 1 colher de sopa de água fervente.
Misturar o leite condensado
Derreter o chocolate em banho maria (cortar em pedacinhos pequenos para derreter mais rápido)
Misturar o chocolate derretido com a mistura de leite condensado.
Levar ao fogo bem baixinho, mexendo sempre.
Misturar até dar o ponto de brigadeiro.
Colocar em um prato fundo.
Deixar por alguns minutos no congelador .
Fazer bolinhas e polvilhar cacau em pó.
Colocar em forminhas de brigadeiro com celofane.


Deliciosos biscoitos de amendoa da minha irmã

Todo ano fico esperando ansiosamente o natal para comer os biscoitos de amendoa de minha irmã...
Segue a receita. É bem trabalhoso mas o resultado é ótimo....
Tudo de bom...

 
Ingredientes:

1 e 1/3 de xic. de açúcar
½ col. de sopa de casca de limão ralada
1 e ½ col. de chá de canela
1 col. de chá de kirsch (aguardente de cereja) ou rum
500 g de amêndoa moída
3 claras
1 pitada de sal

Acessório: Cortador de biscoito no formato de estrela
Modo de fazer:

1- Na batedeira, bata as claras ate obter picos firmes. Junte o sal e em seguida adicione o açúcar aos poucos. Bata até obter picos firmes.

Separe mais ou menos ¼ da mistura de claras batidas para a cobertura. Misture com o kirsch e reserve.
2- Acrescente a amêndoa moída às claras restanttes e junte a canela e a casca do limão ralada. Misture cuidadosamente com uma espátula até ficar homogêneo.
3- Coloque a massa entre dois pedaços de filme plástico e, com um rolo, abra até obter a espessura de 0,5 centimetros.

Retire o filme plástico de cima e recorte os biscoitos em forma de estrela. Coloque-os sobre um pedaço de papel manteiga e pincele a superfície com a mistura de claras e kirsch. Deixe descansar por 6 horas em local ventilado.
4- Aqueça o forno em temperatura alta. Ponha o papel manteiga com os biscoitos na assadeira e leve ao forno por 4 minutos.

Retire e deixe esfriar.

Polvilhe com confeitos coloridos e sirva.

Bolo nutritivo de cenoura, laranja e beterraba

Este bolo é delicioso e super nutritivo. Uma ótima opção para quem tem que comer beterraba e não suporta do sabor....he, he, he...

Ingredientes:150 ml de suco de laranja
½ xícara de chá de óleo
4 ovos
100g de beterraba descacada e corta em pedaços pequenos (1 beterraba pequena)
200 g de cenoura cortada
3 xícaras de açucar peneirada
3 xícaras de farinha de trigo
1 colher de sopa de fermento em pó

Modo de fazer:
Bater no liquidificador o suco de laranja, o óleo, os ovos, a beterraba e a cenoura.
Transfira a mistura para uma tigela e misture o açucar peneirado, a farinha de trigo e o fermento em pó.
Coloque a mistura em uma forma retangular grande untada e enfarinhada.
Leve ao forno médio, pré-aquecido por 45 minutos ou até estar pronto.
Cobertura:
6 colheres de sopa de açucar
2 colheres de sopa de leite
1 colher dde sopa de margarina
2 colheres de sopa de chocolate

Levar ao fogo até que os ingredientes estejam misturados, a calda engrosse e comece a aparecer o fundo da panela. Despejar sobre o bolo.

Bolo de cenoura molhadinho...

Esta receita é boa. Rápida, fácil e impactante... Além de tudo super nutritiva...

Ingredientes:

3 cenouras médias
3 ovos
1 xícara de óleo
2 xícaras de açucar
2 xícaras de farinha de trigo
1 colher de sopa de fermento

Modo de fazer:
Bater as cenouras, os ovos, o óleo e o açucar no liquidificador.
Adicionar a farinha de trigo e o fermento ao poucos mexendo sempre com a colher de pau.
Colocar em um tabuleiro retangular grande, untado e enfarinhado, no forno médio, pré-aquecido por aproximadamente 45 minutos ou até dourar.
Deixar esfriar.
Cobertura:

6 colheres de sopa de açucar
2 colheres de sopa de leite
1 colher dde sopa de margarina
2 colheres de sopa de chocolate

Levar ao fogo até que os ingredientes estejam misturados, a calda engrosse e o fundo da panela comece a aparecer. Despejar sobre o bolo. Deixar esfriar e servir.. Humm...

terça-feira, 4 de dezembro de 2012

Brigadeiro de mandioca


Esta é uma receita inusitada que fez muito sucesso por aqui, no recepção de grupos escolares.

Ingredientes:

1 e ½ xic. de mandioca cozida
2 colheres de sopa de margarina
10 colheres de sopa de açúcar
1 xícara de chá de leite em pó
3 colheres de sopa de chocolate em pó
5 colheres de sopa de granulado

Modo de fazer:

Cozinhe a mandioca ate desmanchar. Escorra e amasse. Reserve.
À parte, derreta a margarina, acrescente a mandioca e misture bem. Junte os demais ingredientes e cozinhe ate desprender do fundo da panela. Modele docinhos pequenos,  passe no chocolate granulado e coloque nas forminhas.

Obs: Faça beijinhos substituindo o chocolate em pó por coco ralado.


Rendimento:16 porções

Fonte: Apostilas de receitas Sesi de aproveitamento integral de alimentos

Doce de limão bravo

Este doce é lindo. Tem uma cor indiscritível. Um tom alaranjado...
Muito bom para fazer com a casca do limão bravo.
Fica um doce de corte. Se retirar do fogo um pouco antes, vira uma deliciosa geléia.
O segredo aqui e retirar bem o amargo da casca.

Ingredientes:

1 quilo de casca de limão galego ralada e escorrida
700 g de açúcar cristal
caldo de 3 limões

Modo de fazer:

• Rale a casca dos limões e esprema-os. Deixe de molho por 2 ou 3 dias, trocando a água.
• Escalde 2 x ou até perder o amargo - prove
• Bata no liquidificador com o suco dos dois limões
• Coloque a massa no tacho com o açúcar
• Leve ao fogo e mexa, no princípio de vez em quando e constantemente no final
• Retire do fogo quando estiver no ponto: soltando grandes placas da colher e desprendendo do fundo da panela
• Coloque em forma untada, ou com papel manteiga.
• Espere 24 h e sirva.
Obs: se retirar um pouco antes do ponto de estrada pode-se obter uma boa geléia











Pão de queijo dos Deuses

Como sou uma grande adoradora de pão de queijo, tinha dificuldade em encontrar uma receita que me satisfizesse.
Está é perfeita.
O segredo aqui é usar um bom queijo curado e rala-lo no ralo fino.

Ingredientes:
1 xícara de leite
1 xícara de óleo
1 xícara de água
2 xícara de queijo curado ralado no ralo fino (aquele queijo amarelinho, durinho..)
1 pacote de 50 g de queijo parmesão ralado
6 ovos pequenos
1 colher de sobremesa de sal (colocar à gosto)
2 e 1/2 xícaras de polvilho azedo
2 e ½ xícara de polvilho doce

Modo de fazer:
Em uma panela coloque a água, o leite, o óleo e o sal.
Leve para ferver mexendo sempre.
Coloque os polvilhos em uma bacia e jogue o líquido fervente.
Mexa com uma colher até formar uma massa homogênea.
Acrescente os ovos um a um e mexa até ficar homogêneo.
Acrescente o queijo curado ralado em ralo fino e o queijo parmesão ralado e mexa novamente.
Com a ajuda de 2 colheres colocar “montinhos” da massa no tabuleiro.
Deixe espaço entre os pães de queijo pois eles irão crescer.
Cuidado, pois a massa fica muito quente.
Assar em forno médio pré-aquecido até dourar.

Obs: Se quiser pode congelar em pequenos potes. Descongele conforme a necessidade, coloque no tabuleiro às colheradas e asse em forno médio pré-aquecido.














O Lado Negro do Chocolate - Documentário sobre a escravidão infantil na produção de chocolate



O chocolate que consumimos é produzido com o uso de trabalho infantil e tráfico de crianças?

O premiado jornalista dinamarquês, Miki Mistrati, decide investigar os boatos. Sua busca atrás de respostas o leva até Mali, na África Ocidental, onde cameras ocultas revelam o tráfico de crianças para as plantações de cacau da vizinha Costa do Marfim. A Costa do Marfim é o maior produtor de cacau, respondendo por cerca de 40% da produção mundial. Empresas como a Nestlé, Barry Callebaut e Mars assinaram em 2001 o Protocolo do Cacau, comprometendo-se a erradicar totalmente o trabalho infantil no setor até 2008. Será que o seu chocolate tem um gosto amargo? Acompanhe Miki até a África para expor "O Lado Negro do Chocolate".



Trabalho infantil - Breve resumo

Menino de carvão - Curta sobre o trabalho infantil em



O filme Menino de Carvão é uma história emocionante, gravada no município cearense Senador Pompeu.


Conta a história de um menino que desde cedo foi obrigado a trabalhar duro fazendo carvão com o pai. O garoto sente na pele o sofrimento de um lugar desolado e da pobreza absoluta.

Além de mostrar a infância marginalizada, o filme também aborda a violência doméstica e a pobreza extrema em que ainda afeta nordestinos, sobretudo a figura alcoólatra e desequilibrada do patriarca da família, o pai da criança, em torno de quem se desenrola toda a trama.

Toda a equipe técnica e atores do filme são naturais de Senador Pompeu e um distrito daquela cidade serve de cenário para o filme.

Acesse: http://www.frampaulo.blogspot.com.br

Informações: franpaulo@hotmail.com

Prêmios:

Melhor Direção e Melhor Fotografia

Festival Nacional de Cinema e Vídeo de Floriano-PI

Elenco:

Eltanin Alighiere

Erick Vandick

Sherida Sousa

Cícero da Silva

Maria Elcelane

Polinne Lima

Fram Paulo

Ficha Técnica:

Roteiro e Direção - Fram Paulo

Câmera - Washigton Alves

Som direto - Ivanildo Teixeira

Edição: Fram Paulo e Karla Samara

Assistência: Lucas Souza, Cícero Gerlânio e Alex Pedrosa

Still: Karla Samara

Designer Gráfico: Paulo Eduardo

Trilha Sonora: Carlos Ney
Categoria:
Filmes e desenhos




Sobre o trabalho infantil no Brasil - Crianças invisíveis





Curta Bilú e João retrata o trabalho infantil no Brasil. O curta foi dirigido por Katia lund e faz parte do filme crianças invisiveis.
O filme conta com a produção de 12 diretores de diversas partes do mundo.






Nesta entrevista, Inaiá Carvalho, professora e pesquisadora da UFBA (Universidade Federal da Bahia), afirma que devido a seus efeitos adversos para o desenvolvimento e os prejuízos que acarreta na formação escolar das crianças e adolescentes, "o trabalho infantil termina sendo um instrumento de reprodução da pobreza".







Visão geral sobre a problemática do trabalho infantil no Brasil, e o sucesso do Programa de Erradicação do Trabalho Infantil - PETI







Super Size Me - A dieta do palhaço



Filme sobre a alimentação americana. A nação mais gorda do mundo, onde 60% dos adultos são obesos.
Uma oportunidade de reflexão sobre fast food...

segunda-feira, 12 de novembro de 2012

Música Dia Branco - Geraldo Azevedo

Música que retrata muito bem o companherismo...
Adoro.
Esta vai para o meu querido esposo..




Que assim seja...

Pão árabe delicioso


Caros amigos,
Bom dia.
Hoje eu tenho para voces uma receita de pão árabe.
Esta receita é simples e delilciosa. De muitas que já testei esta foi a melhor.
É possivel fazer de15 a 17 pães e quarda-los em um saco plástico fechado, sem ar.
Desta forma dura 1 semana.
São bons para fazer sanduiches e pizzas, inclusive faz uma ótima pizza de frigideira light com molho de tomate, queijo minas, peito de peru e orégano.
Fica a dica para aqueles que estão querendo entrar o verão com uma silhueta mais esbelta.
Espero que gostem...

Pão árabe delicioso

Ingredientes

2 xicaras de água morna - Quando voce consegue colocar o dedo na água sem queimar. Muito importante.
Se tiver quente demais mata o fermento. Se estiver fria não dá a condição que o fermento pede para se desenvolver...
1 colher de chá de açucar
1 pacote de fermento biológico seco -15 g
3 colheres de sopa de azeite
6 xicaras de farinha de trigo peneirada
1/2 colher de chá de sal

Modo de fazer:

Misture a água morna com o açucar, o fermento, azeite e o sal em uma vasilha grande.
Peneire a farinha de trigo diretamente sobre a mistura, parando de vez em quando para mexer.
Mexa até ficar homogeneo, depois coloque mais farinha.
Faça isso repetidas vezes até que a mistura esteja pesada.
Amasse com a mão até formar uma massa homogenea e elástica que não gruda mais na mão.
Enfarinhe uma superficie e faça bolinhas - 15 a 17 bolinhas.
Deixe espaço entre elas para que cresçam.
Deixe a massa crescer por aproximadamente 1 h.

Bolinhas de massa de pão árebe depois que cresceram


Abra os discos e coloque em uma chapa de ferro ou frigideira de fundo grosso. Esta deve estar pré-aquecida.
Se for usar para pizza, pré assar a massa em forno quente até ficar totalmente cozida mas maleável. Tire e recheie a gosto. Leve ao forno como recheio para gratinar...


Começando a abrir a massa...

O fogo deve ser médio.
Tampe com um tabuleiro redondo alto - importante para formar uma camada de vapor.
Deixe o pão estufar e fure com um garfo.
Vire o lado.
Coloque em um prato coberto com um pano de prato.
Importante: dobre o pano de prato de forma que perte dele fique por baixo dos pães e a outra metade por cima.Se o pão ficar em contato direto com o prato, os de baixo vão ficar molhados por causa do vapor dos outros.
Enquanto voce abre um disco deve ser o tempo de ter que virar o pãozinho.
Desta forma voce pode ir abrindo os discos e cozinhando os pãeszinhos ao mesmo tempo.


Pão árabe pronto


Pão árabe pronto

Desculpem a qualidade das fotos. São de celular... Estamos providenciando uma máquina fotográfica melhor..rs...

quinta-feira, 8 de novembro de 2012

A história do biscoito



Procurando receitas de me deparei com este site com uma matéria muito interessante sobre a história do biscoito.
Copiei a matéria e a fonte aqui, para quem interessar possa...
Obrigada
Marta




Quem não gosta de biscoito? São tantas as receitas… Biscoito de polvinho, biscoito de maizena, pavê de biscoito, bolo de biscoito, torta de biscoito, até biscoito da sorte! São tantas delícias que não dá nem pra imaginar sem morrer de fome!
Hoje vamos conhecer mais sobre o biscoito e suas origens:
Segundo as lendas, os antigos comiam grãos crus, moendo-os lentamente e triturando com os dentes, com isso surgiu a idéia de se amassar os grãos entre duas pedras, misturando água àquela massa e secá-la ao fogo, tornando-a numa pasta seca e dura.
Entre os egípcios, os biscoitos já pareciam bolachas secas e eram servidos adocicados com mel – uma vez que o açúcar ainda não era conhecido. Eram objeto de gentileza entre a casta nobre, feitos para dar de presente aos amigos. Na época, um especialista em fabricar os biscoitos era em geral um escravo, já que a receita era passada de geração para geração entre estes. Um especialista em biscoitos podia ser comprado, alugado ou tomado à força. Era um escravo de luxo.
O prelúdio do biscoitoA palavra biscoito tem origem de duas palavras francesas: “Bis” e “Coctus” e significa “cozido duas vezes”. Isso porque o biscoito surgiu da necessidade de viajantes carregarem seu próprio alimento, no caso o pão, e esse precisava ser cozido duas vezes, para ter menos umidade e, assim, durar mais tempo. Ele virava, portanto, um “pão duro”.

bolacha
A forma que o pãozinho seco tomou foi a de um pequeno pastel recheado de carne, que era chamado de “pão do viajante”. Esse pão também foi usado para alimentar soldados durante guerras.
A popularidade do “biscoito” aumentou, rapidamente e, na Europa, em meados do século XVII, começou-se a adicionar chocolate ou chá ao biscoito. Criando o sabor e aroma, desde então para estimular as suas vendas, investia-se nos mais variados tipos de gostos e aromas. O progresso dos negócios dos biscoitos alertou as municipalidades para uma boa fonte de renda. Este súbito crescimento do comércio de biscoitos determinou, em retorno, uma busca por métodos e modos mais econômicos e de maior rendimento para sua fabricação – ali começava a industrialização do biscoito.
Industrialização e Exportação – o biscoito, bolacha ou cookie que conhecemos hojeA Inglaterra mostrou ser um bom mercado produtor. Lá se fabricavam vários tipos de biscoitos muito saborosos e procurados. Ela logo começou a exportar o produto para suas colônias e em pouco tempo quase todas as cidades importantes dos Estados Unidos já consumiam o “biscoito para chá e café dos ingleses” .
biscoito torta
Nos seus primeiros anos de colônia, os Estados Unidos não tinha condições de fabricar os biscoitos. Mas, reconhecendo a importância do mercado, não demorou muito para importar da Inglaterra os equipamentos necessários e deram início a uma florescente indústria de biscoitos. O passo seguinte, em razão da necessidade de fabricarem peças de reposição para as máquinas, foi logicamente à implantação, no norte, das indústrias para a fabricação de equipamentos de biscoitos.
Estava assim determinado o declínio das importações de biscoitos ingleses e o início da indústria norte-americana de biscoitos.
Daí em diante, a evolução se fez de forma acelerada – até mesmo o nome inglês “biscuit” foi abandonado e os produtos americanos foram rebatizados de “cookies”.
Hoje se pode contar com mais de 200 tipos de biscoitos, entre doces e salgados, com uma indústria altamente especializada, de formulações perfeitas e um total controle do seu mercado dentro de um processo de sofisticação muito desenvolvido.

O que havia começado com um trabalho escravo, ao tempo dos gregos, romanos e dos egípcios, hoje faz parte de um complexo industrial, dos mais importantes dentro do setor de alimentação.


Fonte:http://www.mrbey.com.br/blog/index.php/origem-do-biscoito-da-pre-historia-ate-os-dias-de-hoje/

quarta-feira, 7 de novembro de 2012

A mulher e o mercado de trabalho

A mulher já ocupa pelo menos metade dos postos de trabalho no Brasil, mas as desigualdades, principalmente salariais e de ascensão profissional, ainda marcam a mulher no mercado de trabalho! Loudes de Andrade Simões, da Marcha Mundial de Mulheres fala para a TV Bolsa de Empregos.









--------------------------------------------------------------------------------
Fonte: Youtube


Filme mostra a evolução das mulhres no mercado de trabalho no séc. XX


Fonte:
Esse video foi apresentado em sala de aula no dia 04/05/2011 para trabalho da faculdade sobre a evolução das mulheres com o Prof° Maurício Pedro


Ai vai novamente a música “Mulher” de Geraldo Azevedo e Neila Tavares...


Linda homenagem as mulheres. Acho que vale sempre à pena relembra-la...

Emocionante...

quinta-feira, 13 de setembro de 2012

segunda-feira, 3 de setembro de 2012

O segredo

Nós seres humanos temos poderes incríveis... O filme "O segredo" ressusita o poder interno de cada um alcançar os seus objetivos. Gostei muito da mensagem. Mudou o meu posicionamento no mundo... A quem interessar possa segue o filme... Abraços a todos Marta

O mundo segundo a Monsanto

Excelente documentário produzido pela autora do livro "O Mundo segundo a Monsanto". Esse documentário mostra como essa multinacional está patenteando sementes transgênicas e introduzindo-as em países emergentes como o Brasil.

A corporação - The corporathion

Filme sobre o poder das corporações no mundo e como nós, "simples mortais" somos dominados por elas...

quinta-feira, 23 de agosto de 2012

História das conservas



http://bacilosnasopa.files.wordpress.com/2012/07/histc3b3ria-da-conservac3a7c3a3o-de-alimentos-a-fabrica-de-alimentos-em-lata.jpg 

Pesquisando a história da conservação de alimentos, encontrei no site da Correio Gourmet um resumo bem interessante, de autoria de Virgínia Brandão.
Estou disponibilizando aqui em anexo para poderem apreciar...


 

A história das conservas

A conservação de alimentos surgiu com a civilização. Entretanto, todos os processos utilizados até o final do século 18 foram desenvolvidos de forma totalmente empírica, sem nenhum conhecimento ou embasamento teórico e, normalmente, utilizando ou simulando processos existentes na natureza (secagem, defumação, congelamento), Nessa época, já se sabia que as frutas e algumas hortaliças podiam ser conservadas em açúcar e certas hortaliças toleravam o vinagre. Porém, todos esses procedimentos conservavam os alimentos por pouco tempo e com escassas garantias.

O avanço científico e a industrialização da conserva


 
 


Foi somente no início do século 19, que o confeiteiro francês Nicolas Appert  (1749-1841), depois de 15 anos de experimentos, desenvolveu um processo que não era baseado em nenhum fenômeno natural já conhecido.

Não se sabe qual o conhecimento teórico que Appert tinha sobre conservação de alimentos, mas foi para resolver as questões práticas do dia-a-dia de sua confeitaria que ele teve a genial intuição de que se colocasse os alimentos em garrafas de vidro grossas (como as usadas para o champagne) com algum líquido, lacrando-os com rolha e cera e fervendo-os em banho-maria por um determinado período, conseguiria uma prolongação da vida de prateleira destes alimentos. Supôs que, como no vinho, a exposição ao ar estragava a comida. Assim, se a comida fosse colocada num recipiente que vedasse a entrada do ar, ficaria fresca e com boa qualidade. Funcionou.
 
 


Garrafa utilizada por
Nicolas Appert,


Colocando em prática suas descobertas em escala industrial, em 1802, ele instalou nas cercanias de Paris, em Massy, a primeira fábrica de conservas do mundo, que empregava cerca de 50 funcionários. Encomendou a um vidreiro garrafas com gargalos bem mais largos que os habituais e deu início à sua produção.

Amostras com comidas preservadas pelo método de Appert foram enviadas para o mar por mais de quatro meses. Carnes e vegetais estavam entre os 18 diferentes itens  em recipientes de vidro; todos retiveram seu frescor e nenhuma substância passou por mudanças substanciais.

Seu método conseguiu crescente sucesso comercial, tendo sido utilizado por Napoleão Bonaparte no abastecimento de suas tropas, tornando-as mais autônomas, e na marinha mercante, para as longas viagens transatlânticas. Em 1809, o ministro de Administração Interna da França, Conde Mantalivet, providenciou um prêmio de 12 mil francos franceses para que Appert tornasse públicas suas descobertas.

 
 


Nicolas Appert

E assim, em 1810, foi publicado o livro "A Arte de Conservar Todas as Substâncias Animais e Vegetais", em que ele descrevia, em detalhes, o processo de conserva de mais de 50 alimentos. O livro teve uma tiragem de 6000 exemplares, dos quais 200 foram entregues ao Governo para serem distribuídos entre as prefeituras francesas que trataram de difundir a informação, Três novas edições são lançadas posteriormente, em 1811, 1813 e 1831. Muito rapidamente, traduções são publicadas em numerosos países estrangeiros, como  Alemanha, Inglaterra, Bélgica e Estados Unidos.  Logo após a publicação do método Appert, fábricas de conservas surgem tanto na França quanto no exterior.
 
 
 


Loius Pasteur

Na época, Appert acreditava que a preservação do alimento devia-se a ausência de ar no interior do frasco. Esta hipótese foi derrubada por Pasteur algumas décadas depois, em 1864, ao provar que os pequenos seres vivos que já haviam sido identificados por Leeuwenhoek em 1675 eram responsáveis por deteriorações nos alimentos e doenças no homem. As pesquisas de Pasteur demonstraram que o efeito da temperatura na preservação dos alimentos era na realidade sobre os microrganismos, observando que uma temperatura de 62-63ºC por um período de uma hora e meia era suficiente para eliminar os microrganismos presentes nos sucos de frutas. Este processo, que recebeu o nome de pasteurização, provocou uma grande alavancagem na qualidade dos vinhos franceses, principal indústria francesa na época, concedendo a Pasteur um grande prestígio junto ao governo de seu país.

O processo de preservação criado por ele, em sua homenagem, foi batizado de apertização, englobando todo aquele método que depende de um tratamento térmico para combater a deterioração do alimento. É, até hoje, o mais utilizado na indústria de conservas.

 

Os enlatados
 

Existem várias versões sobre o início do enlatamento das conservas. Algumas dizem que foi o próprio Appert que deu início ao uso das latas de ferro estanhadas para envasar as conservas. Mas a própria Associação Internacional Nicolas Appert  afirma que embora na Inglaterra já se utilizassem embalagens metálicas, é apenas a partir de 1814 que Appert vai se dedicar a desenvolver esse tipo de embalagem.

 
 


As primeira latas de conserva

Assim sendo, ficamos com a outra versão que diz que, no mesmo ano em que Appert publicou o seu livro, 1810,  Peter ou Pierre Durand (também discute-se se era inglês ou francês) recebeu uma patente do Rei George III pela idéia de preservar comida em "garrafas ou outros vasilhames de vidro, potes ou recipientes de estanho, ou outros materiais adequados".

Em 1811, Durand vendeu sua patente à firma londrina Dorkin, Hall and Gamble, de John Hall e Bryan Dorkin.  Estes, achando o vidro muito frágil e a cortiça muito porosa, depois de muitos testes, inauguraram, em 1813, a primeira fábrica de conservas do mundo a usar recipientes de chapas de ferro estanhadas, atendendo a uma solicitação da marinha e do exército britânicos. Nasciam as conservas em lata, marco fundamental de toda a história da conservação de alimentos.
As primeiras latas de comida só chegaram ao consumidor civil europeu em 1830. Incluíam tomates, ervilhas e sardinhas, mas suas vendas eram lentas, principalmente pelo preço elevado, pela disponibilidade da comida fresca nas cidades (ainda relativamente perto das zonas rurais) e pela dificuldade de abertura da lata, que requeria o uso de martelo e talhadeira. O alto preço das latas era atribuído à baixa demanda de mercado e ao método artesanal de fabricação e envasamento

Em 1821, a William Underwood Company, de Boston inicia a produção comercial das conservas enlatadas nos Estados Unidos. Mas, por muito tempo, este tipo de alimento foi visto com desconfiança, só começando mesmo a ser consumido com a guerra civil (1861-1865). 

Em 1825, o inglês Thomas Kansett substitui os vidros de boca larga tampados com cortiça por latas de folhas de flandres (um subproduto do alumínio), depois de conseguir, do próprio presidente americano James Monroe, a patente dessas embalagens naquele país . Até esta data, as latas eram produzidas a partir de chapas de ferro estanhadas e não de aço, material utilizado até os dias de hoje.
O americano Gail Borden foi um pioneiro no enlatamento de alimentos. Em 1856, produziu, com sucesso, o leite condensado em lata e lhe foi concedida uma patente do processo. Em 1857, abriu em Nova Iorque uma fábrica do seu produto. A demanda para o leite condensado foi pequena no início, mas durante a guerra civil americana (1861-1865) passou a ser consumido em  larga escala.

A guerra civil contribuiu significativamente para a popularização dos alimentos enlatados de uma forma geral. O exército teve que ser alimentado e o governo fez contratos com diversas empresas de conservas para fornecer o alimento. No final da guerra, estes soldados retornaram para casa cheios de elogios para os alimentos seguros, portáteis, e armazenáveis. Sob circunstâncias difíceis, os povos aprenderam que os alimentos enlatados, tais como o leite condensado, podem ser saborosos e nutritivos. A invenção de abridores de lata práticos, no fim século 19, tornou-as mais fáceis de abrir e mais convenientes para consumidores.

 
 


Em 1868, primeiramente nos Estados Unidos e depois na Europa, as latas feitas a mão foram substituídas pelas feitas a máquina. A nova tecnologia tornou possível o surgimento de  empresas  gigantes de carnes enlatadas, como P. D. Armour. O produto, entretanto, era embalado em grandes e desajeitadas latas vermelhas e não era muito apetitoso.

O aumento da demanda levou, naturalmente, ao aperfeiçoamento dos processos de fabricação das latas, do enlatamento e das conservas, e desde 1810, o método de Appert vem sendo aperfeiçoado em múltiplos aspectos, ainda que o princípio permaneça essencialmente o mesmo. Hoje, há máquinas específicas para o preparo e envase de cada tipo de enlatado e conserva, cada um com seus distintos processos e diferentes tempos de cocção, segundo os microorganismos que devem ser eliminados.realizando uma produção em larga escala. As conservas, sobretudo os enlatados, são encontrados em toda parte, proporcionando aos seus consumidores alimentos seguros, saudáveis e de qualidade.

quinta-feira, 2 de agosto de 2012

Sopa de banana verde


Caros Amigos,
Boa tarde.
Gosto muito do livro chamado "Yes, nós temos banana" da autora Heloísa de Freitas Valle.
O livro é editado pelo Senac e nele podemos encontrar diversas receitas doces e salgadas feitas com a massa da banana verde.

Livro - Yes, Nos Temos Bananas


Particularmente já testei algumas como o pão, o chocolate quente e a sopa.
A massa da banana verde é muito nutritiva e não possui gosto de banana, não é doce nem salgada servindo com o base de muitos pratos saborosos.
Segue aqui a receita de sopa de banana verde adaptada:
  • 6 bananas d'água verdes
  • 3 cebolas médias
  • 5 dentes de alho
  • 2 tablete de caldo de legumes
  • Sal
  • Água
  • Nós-moscada, açafrão á gosto
  • Creme de leite
  • Queijo parmesão ralado



Banana d'água verde


Lavar e cortar as pontas

Cozinhar na panela de pressão por 8 minutos e
descasca-las ainda quentes.
 Cuidado para não se queimar...

Refogar o alho e adicionar a cebola.
 Refogar e tampar, até ficar transparente,
 mexendo para não queimar.

  • Bater no liquidificador, o alho e a cebola refogados, o caldo de legumes, a água e as bananas cozidas.
  • Adicionar o caldo de legumes, nós-moscada e açafráo á gosto.
  • Levar ao fogo até engrossar.
  • Sirva com creme de leite e queijo parmesão ralado.


Está pronta. Hum....


Aproveitamento das sementes de abóbora - hum....

Caros Amigos,
Boa tarde.
Segue uma dica simples de como aproveitar as sementes da abóbora.
Ficam deliciosas como aperitivo.
No curso do Sesc de aproveitamento integral de alimentos me informarão que este processo também pode ser feito com semente de melão.
Como quase não consumimos melão, não tive a oportunidade de comprovar.
Eu costumo fazer as sementes torradas na frigideira, somente com sal ou com sal e especiarias.
Com curry fica uma delícia.
Há quem prefira fazer no forno, mexendo com a colher de pau de vez em quando. Também funciona, mas demora mais.

Retirar as sementes do interior da abóbora.

Lavar as sementes na peneira e coloca-las para escorrer.
Gosto de deixar ao sol para ficarem bem sequinhas...

  • Colocar as sementes lavadas e secas na frigideira e adicionar sal a gosto.
  • Colocar o fogo médio e mexer constantemente com a colher de pau.
  • Pode-se adicionar temperos como curry,pimenta em pó ou massala.


Sementes torradas prontas para o consumo.
Consumir imeditamente pois perdem a crocancia com o tempo.
Bom para ser servido como entrada.



 BOM APETITE!!!

Aproveitamento das folhas e talos de brócolis- hum....

Caros Amigos,
Boa tarde.
Sempre ouvia falar do aproveitamento dos talos de brócolis, couve e agrião.
Um belo dia resolvi experimentar e dei com os burros n'água.
Ficou super fibroso e difícil de mastigar.
Na segunda tentativa fiz diferente: descasquei os talos...
Zaz. Era isso!
Ficou delicioso.
Aqui plantamos brócolis, mas mesmo em época de fartura gosto de aproveitar os talos. Adorei a consistencia e o sabor.
As folhas também são ótimas. Podem ser picadas junto com as flores e os talos em um refogado ou feitas separadamente, cortadas fininhas como couve, no refogado ou na sopa.
Segue aqui o passo a passo.



Mólho de brócolis

Talos com a casca

Talos á esquerda e cascas á direita

Talos de brócolis picadihos ficam iguais a chuchu!

Folhas de brócolis


Folhas de brócolis picadas grosseiramente



BOAS EXPERIÊNCIAS...

quarta-feira, 1 de agosto de 2012

Processamento



Conserva de pepino agridoce

Morango congelado para a elaboração das geléias


Geléia de morango com pimenta


Tomate seco ao alho com alcaparras

Conservas sendo pasteurizadas


EM BREVE NOVAS FOTOS DO PROCESSAMENTO !!!!

Morangos orgânicos do Sitio Abaetetuba


Morango organico do Sítio Abettuba agora certificados pelo Instituto Biodinâmico e pela Abio



Morangos orgânicos super doces





Morangos organicos do Sítio


Túnel baixo de morango - lavoura antiga


Tuneis baixos de cultivo de morango fechados




Implantaçao da lavoura nova




Lavoura nova com estufa alta





Controle de insetos com raquete


Detalhe do túnel alto por dentro



Detalhe do túnel alto semi-aberto


Flor do morango


Primeiros frutos da lavoura nova



Propriedade vista do alto observa-se o túnel alto



Detalhe da irrigaçao - filtros



Adubos organicos  são colocados na água da irrigaçao e
seguem por gotejamento



Área da próxima lavoura  em descanso
com adubacáo verde (nabo forrageiro)

 
Preparo da terra e controles:
Os canteiros foram feitos á mão.
A adubaçao utilizada foi esterco de frango compostado, farinha de osso e torta de mamona.
Atualmente estamos trabalhando com silicio, bocacher líquido, entre outros.
Nas folhas sâo aplicadas calda bordalesa e sufocálcica.
Como controle biológico estamos utilizando ácaro predador de fungos e de pugões.
O óleo de nim é utilizado para o controle das formigas, e para o controle das lesmas são feitas armadilhas com soro do leite.
Para os insetos utilizamos uma placa entomológica com cola própria para o aprisionamento dos mesmos. O controle manual é feito com raquete elétrica.
As folhas doentes e velhas são retiradas assim como os frutos que apresentam fungos.
Outros tratos também tem sido aplicados.