Pular para o conteúdo principal
Permacultura,
a cultura permanente
Trabalhar com e a favor da natureza, nunca contra ela.



Permacultura é o planejamento e a manutenção conscientes



de ecossistemas agriculturalmente produtivos, que tenham



a diversidade, a estabilidade e a resistência dos ecossistemas



naturais. É a integração harmoniosa das pessoas e a



paisagem, provendo alimento, energia, abrigo e outras



necessidades de forma sustentável. A permacultura visa trabalhar



com a natureza, e não contra ela, observando os padrões



naturais e transferindo as conclusões para o ambiente planejado.



                                                                                          Bill Mollison

                                           
                                              (Grupo da Permear - Encontro de formação de
                                            
                                                           professores de permacultura)


A permacultura originou-se nos anos 1970 com os trabalhos de dois australianos, David Holmgren e Bill Molison tendo como resultado, a implementação de pequenos sistemas produtivos organicamente integrados. O projeto (ou design) de cada propriedade é elaborado através de métodos ecologicamente saudáveis e economicamente viáveis, que entendem o habitante, a sua morada e o meio-ambiente como partes de um único organismo vivo, favorecendo a reintegração do ser humano ao ambiente e buscando a auto-suficiência, de forma que todas (ou quase todas) as necessidades sejam supridas no próprio local. A longo do prazo, a estabilidade e alcançada, em uma micro-escala, tornando-se permanente.



A Ética da Permacultura


                                               
                                                      (Borboleta "88"- espécie ameaçada
                                                        de extinção)


Para Mollison e Holmgren são três os princípios básicos que fundamentam a ética da Permacultura: (a)cuidar da terra; (b) cuidar das pessoas; e (c) partilhar os excedentes e definir limites para o consumo e a reprodução.
O Cuidar da Terra pressupõe o respeito a qualquer expressão de vida no planeta. É fundamental que se permita e se incentive a continuidade e a multiplicação de todos os sistemas vivos. É cuidando dos ecossistemas, das espécies, das águas, dos solos e da atmosfera, em todos os momentos, que a humanidade viverá em harmonia com o planeta. Esse cuidado deverá estar presente em todas as ações e incorporado ao cotidiano do ser humano de maneira que venha desconstruir as representações sociais do consumismo exagerado e do desperdício.
O Cuidar das Pessoas é fundamental, pois, embora a espécie humana não constitua a maior população do planeta, é a espécie que mais danifica o planeta onde vive. Desta forma, é preciso que todos os indivíduos recebam, pelo menos, o cuidado básico para a sobrevivência. Essas necessidades básicas podem ser traduzidas como abrigo, alimento, tratamento de resíduos, educação, trabalho e relações humanas harmoniosas que garantirão o uso sustentável dos recursos naturais.

Para os autores, partilhar os excedentes e definir limites para o consumo e reprodução são atitudes que estão ligadas ao cuidado com a Terra e com as pessoas. No caso da reprodução humana, este princípio revela o desafio da paternidade responsável que é estendido à reprodução de animais para consumo. Partilhar os excedentes é redistribuir os recursos para além de nossas necessidades, como alimento, dinheiro e tempo. É, também, compartilhar recursos como máquinas e ferramentas de forma cooperativa, priorizando o fluxo em vez do acúmulo. Definir limites para o consumo é a base do consumo responsável.

Para viver de acordo com os princípios éticos da Permacultura, os autores destacam que é fundamental que se incorporem os 5 Rs dos Hábitos do consumo responsável, a toda e qualquer rotina humana.

1- Recusar materiais e atitudes poluentes, tóxicas ou que degradem o ambiente na sua extração ou no seu descarte;

2-Reduzir o consumo dos recursos, controlando necessidades e, principalmente, cortando os supérfluos;

3-Reutilizar materiais e recursos em sua forma original, diminuindo o volume de resíduos que são descartados, evitando o gasto de energia para que sejam transformados em outros elementos.

4-Reciclar materiais, agora chamados de “resíduos”, para que possam voltar ao início do processo como recursos (um novo ciclo).

5-Restaurar o ambiente natural sempre que possível




Filosofia da Permacultura






Trabalhar com a natureza, e não contra ela;

Observar atentamente a natureza e transferir para o cotidiano toda essa observação;

Cooperar em vez de competir e integrar em vez de fragmentar;

Pensar, a longo prazo, sobre as consequências de nossas ações;

Onde possível, utilizar espécies nativas da área, ou aquelas adaptadas sabidamente benéficas;

Cultivar a menor área de terra possível. Planejar sistemas intensivos, eficientes em energia e em pequena escala;

Praticar a diversidade policultural (garantia de estabilidade);

Reflorestar a terra, sistematizar a água e alimentar o solo;

Ver soluções e não problemas;

Trabalhar onde conta (plantar uma árvore onde irá sobreviver; auxiliar pessoas que queiram aprender).
(In: http://www.Permacultura-bahia.org.br/oquefazer.asp, 04/09/2009)

No cerne da Permacultura há um cuidado absoluto com a utilização da terra sem desperdício ou poluição, a minimização do consumo de toda e qualquer energia, assim como a restauração de paisagens degradadas.


A rede de Permacultura Permear


                                        
                                                      Curso de formação de professores
                                                                  em permaculutura

Os Institutos de Permacultura e a Rede Permear de Permacultores


Atualmente são oitos os institutos de Permacultura no Brasil, atuando de forma distinta. Os institutos que formaram a Rede Brasileira de Permacultura (IPAB, em Santa Catarina, IPA, no Amazonas, IPEC, em Goiás e IPEP, no Rio Grande do Sul; IPEMA, em São Paulo ), funcionam hoje como centros de pesquisa, formação e demonstração de tecnologias apropriadas.

A Rede Permear integra permacultores de catorze projetos autônomos em quatro estados brasileiros (Santa Catarina, São Paulo, Rio de Janeiro e Minas Gerais) e mais o Distrito Federal. O Sito Abaetetuba é a estação de permacultura sediada no estado do Rio de Janeiro, tem funcionado com o mesmo propósito dos institutos, porém vem atuando legalmente como produtores rurais.

A rede Permear tem como objetivo:

para realizar o desejo comum de fazer e pensar Permacultura coletivamente. Nosso maior objetivo é irradiar esta filosofia de trabalho, a partir de nossas experiências individuais e de grupo organizado, como um conjunto de princípios teóricos e práticos que está possibilitando a construção de assentamentos sustentáveis no Brasil e no mundo, estabelecendo uma relação criativa e co-evolutiva entre os seres humanos e a natureza. (In: http://www.permear.org.br/rede/)
De acordo com informação contida na página da Rede publicada na Internet

Os projetos são chamados de autônomos porque são iniciativas de pessoas, famílias e comunidades que trabalham em cooperação e com recursos próprios para multiplicar os conhecimentos em Permacultura (todos recebem formação como professores do IPAB) e para oferecer exemplos de sistemas produtivos de apoio à vida no lugar onde moram. Nós da Rede Permear costumamos dizer que a nossa teia deve alcançar todo permacultor ou grupo de permacultores cujo trabalho tem como princípio de ação a ética da Permacultura. E queremos para esta rede tudo aquilo que um sistema Permacultural deve conter: diversidade e abundância de idéias e projetos, cooperação, solidariedade, sinergia, diálogo e amor, muito amor. Por fim, que seja para todos um caminho de transformação.

(In: http://www.permear.org.br/rede/,04/09/2009)



Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Conserva de Berinjela Siciliana

Receita antiga, com o passar do tempo e a liberdade maravilhosa que a cozinha nos proporciona, ganha um toque aqui, uma pitada ali e vai se transformando na sua receita daquele prato tradicional. Com a conserva de berinjela siciliana não é diferente! Hoje eu trago a versão do culinarista Álvaro Rodrigues, adaptada por Aline, do blog Delícia dos 30 http://deliciasdos30.blogspot.com.br . Eu testei e aprovei!
Sempre usei a receita ensinada pela professora Ângela Morata que é um pouco diferente, mas agora inseri esta nova versão no meu caderno. Se eu fosse você não deixaria de anotar e, principalmente, de fazer, com a certeza do sucesso garantido seja para receber uns amigos, presentear junto a uma garrafa de vinho ou saborear com a família.
Gostei muito da forma com que a Aline, que diz que a receita abaixo é uma versão Berinjela Picante do Álvaro Rodrigues, ilustrou o passo a passo e, por isso, resolvi colocá-lo aqui. Ela tirou da receita dele três ingredientes por opção. Uva passa, pimen…

Biscoito de Nata e Goiabada

Quando vai chegando o fim da tarde, junto vem aquela vontade de fazer um lanchinho. Que tal um biscoitinho com café? Adoro fazer biscoitos! Comer então, nem se fala! Vivo procurando receitas gostosas e diferentes, Numa destas buscas, encontrei o beliscão de nata e goiabada no blog Cozinha e Poesia http://cozinhaepoesia.blogspot.com/ . Maravilhoso!!!
Testei, aprovei e resolvi compartilhar aqui com vocês. Preparem os vidros que esta receita rende cerca de 150 biscoitos. Quanto tempo isso vai durar na sua casa? Ou você está pensando em comercializar? Um beliscão com gosto de quero mais pra comer a qualquer hora é sucesso garantido. Arregacem as mangas, lavem as mãos e vem comigo pra cozinha!

Ingredientes:2 avos médios1 xícara (chá) de nata retirada do leite integral1 colher (sopa) de manteiga2 colheres (sopa) de açúcar1 colher (sopa) de fermento em pó2 e 1/2 xícaras (chá) de farinha de trigoRaspas de limão400 gr. de goiabada cortada em tirinhasAçúcar para finalizar e envolver os biscoitos
P…

Como Limpar o Fogão Industrial

Olá galera! Hoje resolvi compartilhar minhas descobertas em relação a limpeza do fogão industrial. Já apanhei tanto para limpar o meu, que achei interessante dividir com vocês o que aprendi até aqui. A experiência me mostrou que manutenção de equipamentos é uma coisa muito importante e o fogão é o coração da nossa cozinha, né?! Temos que cuidar bem dele. Uma cozinheira que trabalhou comigo, me ensinou alguma coisa que uso e aprovo. 
Na hora de limpar o seu fogão, tome muito cuidado para não molhar a parte interna das bocas, apenas passar uma escova de aço. As que eu mais gosto, são as de dentes, pequenos e duros, porque ajuda a chegar nos lugares mais difíceis. Para lavar a chapinha e as grades uso bombril ou palha de aço e, de tempos em tempos, é legal pincelar óleo de cozinha, deixar escorrer e secar com papel toalha. Limpe o resto do fogão com bucha e detergente.


E agora, será que acende? Vamos recolocar as peças no lugar e acender todas as bocas pra testar, mas relaxa que vai dar cer…